terça-feira, dezembro 21, 2004

As mães não duram pra sempre...

Os que acompanharam o meu outro blog - agora extinto - acompanharam o que aconteceu com a grande amiga da minha mãe que morreu de cancro há pouco mais de dois meses...
Quando a fui ver as últimas vezes que estivémos calmamente a conversar e eu já sabia que não iam haver muitas mais conversas apesar da "vontade" dela estive quase para dizer: "Ana, escreva umas linhas. Os seus ultimos pensamentos. Umas linhas para os seus filhos a recordarem, para a minha mãe. Diga tudo o que sempre quis dizer à sua irmã que não gosta de si. Não deixe nada por dizer... escreva tudo!". Não tive coragem de dizer nada pois era admitir que ela já não ia voltar a casa, já não ia passear com a minha mãe à beira mar, já não regressava.
A última vez que fui a casa dos meus pais, poucos dias após o funeral, encontrei a minha mãe triste, desesperada, cansada e gasta.
A minha mãe já está a ficar velha. Só nesse fim-de-semana cheguei a essa conclusão. Mais uns aninhos e chega aos 60. Sexagenária. Quantos mais anos a terei para mim?
À noite, quando todos se foram deitar e eu fiquei na sala a ver televisão, encontrei todas as cartas que escrevemos desde que eu vim para Lisboa há mais de 10 anos. Postais de aniversário, cartas minhas com desenhos de bicharada, algumas fotos... foi uma coisa que sempre gostei, de escrever e receber cartas... e a minha mãe também. No entanto não guardo as cartas dela.
Quando vinha de regresso a Lisboa lembrei-me que gostava de ter uma lembrança escrita da minha mãe. Os seus pensamentos, as suas palavras, os seus desenhos de flores, as histórias da sua infância que ela gosta de escrever, qualquer coisa...
Quando há dias fui à baixa comprei um livro em branco, com capa em cabedal bordeaux e a lombada dourada. Esse pode ser o seu diário.
Um livro em branco para ser escrito pela minha mãe e para ficar comigo para quando ela me faltar.
Esta vai ser uma das suas prendas de Natal.
Uma prenda para ela e para mim...

1 comentário:

gonçalo a.k.a. pUtoFisH disse...

Sim, é verdade que elas não duram para sempre...
Mas não penses demasiado nisso, também não é bom!
É engraçada, essa ideia de lhe dares um diário, tento para ela como para ti, mas quanto à idade, com o mundo como está, é muito difícil prever quanto tempo resta a uma pessoa para lá dos 40 anos... Há aqueles que chegam aos 100 ou perto, há os que se ficam pelos 20 e poucos... E dificilmente será por nos procuparmos mais que alguma coisa se altera...
Anyway, nice post;) Estas coisas mexem comigo=X