sábado, agosto 26, 2006

United 93

Não consigo ir ver ...



11 comentários:

Miguel disse...

O filme em si é muito bom e muito intenso. Já se a história é verdadeira ou não, isso já é um outro departamento. Há de ser um daqueles mistérios que ficarão sempre por desvendar. Pessoalmente, não acredito muito na teoria dos passageiros heróis...

Dark Electronic disse...

É capaz de ser dos filmes mais pesados que já vi, e com pouco sangue, ou seja totalmente psicológico e com os nervos á franja! Eu depois escrevo no meu blog a critica para te ajudar mais ;)

Mas realmente não sei se o voltarei a ver tão cedo(por ser muuuito intenso)...agora só vejo o 'World Trade Center' em Setembro.

Miguel disse...

Curiosamente, vi-o no Alvaláxia onde normalmente sou incomodado pelos barulhos das pessoas. Neste filme, senti o silêncio a impôr-se na plateia. Parecendo que não, o que aconteceu a 11 de Setembro de 2001 é algo que nos toca a todos. No final, como há muito não via no cinema, houve palmas. Quer se queira, quer não, é impossível ficar-se indiferente a isso.

Patrícia disse...

Aquí está um filme que não tenho curiosidade para ir ver.
Neste altura de pânico irracional que se vive na aviação em geral, acho que este filme ainda vem "apimentar" a coisa... e o filme é (pelo que vi nas noticias) demasiado parcial....

Draco disse...

Patricia,

Sinceramente não considero o pânico que se vive no momento irracional. Depois do que aconteceu no 11 setembro, seguido dos atentados em Espanha, Londres, etc acho que não há maneira de lidar com este terror.

Por outro lado não acredito que alguém (talvez alguns membros do Al Quaeda) queira ver um filme imparcial neste assunto.

Eu simplesmente não vou ver porque não tenho estabilidade emocional para ver uma coisa destas e, com o pavor que tenho de andar de avião, cada viagem que teria que fazer, depois de ver o filme, seria ainda mais 'dolorosa' do que o normal.

Patrícia disse...

Eu trabalho com aviões, no aeroporto. e aqui tenho acompanhado tudo o que se tem passado. é minha opinião que haver outro atentado é uma questão de tempo/vontade de quem o queira fazer, quer seja seja através de uma avião, comboio ou noutro sitio qq. por isso entrar em stress é escusado. eu trabalho aqui pertinho de dezenas de aviões, será que devo ter medo de vir trabalhar? viajo imenso. será que devo ter medo de viajar?
Recuso-me, simplesmente. Isso é dar a vitória ao terrorismo.
E quando falo em parcialidade, bom talvez eu esteja errada, mas tudo o que justifica /atiça a violencia deixa-me triste e com um sabor amargo.
Não quis no entando, com o meu comentário, criticar nenhuma opinião.

Nuno Reves disse...

Eu sabia q ela tinha comentado este "post"... Ainda ontem falámos acerda disso no nosso cafézinho, não foi, Patrícia?! LOL

Confesso que não é um dos filmes que mais curiosidade tenha em ver no cinema... Se se proporcionar ir, vou; mas se não tiver companhia ou se não acontecer, não fico triste.

É complicado lidar com sentimentos comoo terror e a angústia de uma morte anunciada como foi o caso daquelas pessoas. Revivermos o acontecimento não deixa nenhum de nós impassível... Mas creio que nos deixa mais consciente para o facto de, como disse a Patrícia, ser tudo "uma questão de tempo/vontade".

Mas não estaremos nós a sucumbir ao terror e à carga psicológica ao recusarmo-nos a ir ver o filme?! Não será isso, por si só, "dar a vitória ao terrorismo"?! LOL

Não estará o terrorismo tão próximo de nós que não o vemos?! E os acidentes rodoviários? Não são uma forma de terrorismo? Pois eu sinto-me aterrorizado quando sei de mortes na estrada e, por vezes, tão estúpidas quanto evitáveis. E vou deixar de conduzir o meu carro por causa disso?!

Para melhor sabermos reagir ao que nos acontece de mais aterrorizante, se é que assim se pode dizer, há que estar consciente do perigo. Nada como conhecer o inimigo por dentro... Certo?

Quando for ver o filme, se o for ver, depois digo qulquer coisa no meu blog, ok?

Draco disse...

A perspectiva a Patricia é diferente - tinha que ser - de uma pessoa comum.
É claro que o facto de trabalhar no meio lhe deu uma maneira diferente de pensar. Ainda bem que assim é pois nós, comuns mortais, sentimo-nos mais seguros se as pessoas que trabalham com os aviões, e os pilotos, e as hospedeiras, etc, demonstram segurança no seu trabalho. Ainda bem que assim é.

É claro que eu não vou deixar de viajar por causa desta situação. Como disse, tenho muito medo de andar de avião, já o tinha antes do 11 de Setembro, mas não é por isso que deixo de andar de avião quando é necessário. Essa situação nem se põe.

E por falar em pessoas que trabalham no meio e têm uma maneira diferente de lidar com o medo, ontem a Oprah contou um episódio que aconteceu com ela numa viagem para o Tahiti, em que a hospedeira se aproximou dela e, com uma calma aparente e como quem diz "deseja beber alguma coisa?", disse: "vamos ter de voltar para trás porque o pára-brisas do avião está rachado..."

É tudo uma questão de calo...

;-)

Draco disse...

Reacção engraçada a do Bruno do Single White Male.
http://singlewhitemale.deslizo.net/

Patrícia disse...

Draco, o que seria daqueles passageiros se a assistente de bordo entrasse em pânico?
E o pára-brisas do avião estar rachado não me parece assim tão grave... lol
Mas eu neste aspecto sou mesmo estranha... geralemente adormeço ainda antes da descolagem e nem me lembro que etou num avião.

bons voos :)

Draco disse...

Eu lembro-me que estou num avião, mas o meu 'mecanismo de defesa' também me leva a dormir...

Infelizmente não consigo deixar de estar consciente!!!
:-)