terça-feira, dezembro 26, 2006

Pós - Natal

E a vida voltou ao normal depois de toda a fanfarra natalícia!
Nós estivémos, como já tinha dito, com os meus pais no Alentejo, mas gostei principalmente do passeio que dei com o meu companheiro e os meus cães. Tivémos uma praia só para nós... Muito calmo.
De resto foi a 'seca' de sempre! Eu não ligo muito ao Natal e ao que parece que 'temos' que fazer para ser Natal.
O meu pai estava chato como de costume, a minha mãe trabalhou que nem uma moira, como de costume e ouvi as 'telenovelas' familiares do costume! Tou um bocado farto. Se não fosse o nascimento do meu sobrinho, para o ano passavamos em família* cá em Lisboa.
* Quando digo FAMÍLIA falo na que considero a minha verdadeira família. Eu, o meu companheiro e a bicharada lá de casa.

6 comentários:

pinguim disse...

Tens toda a razão.
Embora o meu Natal tenha sido melhor do que esperava, pois foi mais simples e calmo, há muitos dias que andava a pedir que chegasse depressa o 26 de Dezembro.
E já chegou.
Agora aproxima-se nova, mas menor ocasião festiva, o fim de ano, que é das datas que mais detesto, por não gostar de ter datas marcadas para me divertir...
Mas este, vou passá-lo como gosto, num jantarinho agradável,entre meia dúzia de amigos e com a pessoa de quem gosto.

Patrícia disse...

Mau-feitio no pós-Natal???? lol
mas tens razão quando dizes que o Natal deve ser passado com a família, aquela a sério.
este ano tb tive um membro novo na famelga. Uma labradora linda linda que foi a estrela do Natal.... infelizmente só é minha "prima"...
beijos e bom 2007!

Draco disse...

Não é mau feitio!
É cansaço de ver que as pessoas são e serão sempre as mesmas, com os mesmos defeitos. É desanimador. De facto, este ano estava à espera de um Natal melhor. (e não me refiro a prendas, claro)

Patrícia disse...

Pois é, Draco, as pessoas não mudam. Ainda ontem eu falava com um amigo e dizia-lhe que amar alguém é gostar dos seus defeitos, e ser capaz de conviver com eles. Claro que na teoria é tudo muito fácil.
Por isso, boa sorte, agarra nas coisas boas que tens e tenta aproveitá-las ao máximo.
:)

fastminds disse...

Pois...há certas coisas que nos saturam e nós vamos ficando cada vez menos e menos tolerantes. Este Natal até correu bem mas já começo a acusar alguma vontade de sair daqui...

Draco disse...

Os nossos pai não querem perceber que, para nós, a família mais importante deixou ser os pais, mas sim os nossos companheiros e filhotes.
Ainda ontem comentava isto com o meu irmão e ele dizia-me o mesmo. Para ele, o mais importante agora é mesmo a mulher e o filho que vai nascer.

Os nossos pais não são esquecidos, como é óbvio, mas passam naturalmente, para outro plano. Como alías aconteceu com eles e os pais deles...