sexta-feira, setembro 29, 2006

As 7 Maravilhas do Mundo Antigo



Philon de Bizâncio foi um importante engenheiro grego da antiguidade. O seu livro De Septem Orbis Miraculis é um dos poucos documentos que trazem a lista original das Sete maravilhas do Mundo Antigo.*
No seu livro, são nomeadas como as Sete Maravilhas do Mundo Antigo:
- As Pirâmides de Gisé (no Egipto);
- Os Jardins Suspensos da Babilónia (na antiga Suméria, onde hoje fica o Iraque);
- A Estátua de Zeus (Construída em ouro, marfim e pedras preciosas na Grécia, foi levada para a antiga Constantinopla, hoje Istambul, onde se pensa ter sido destruída por um incêndio);
- O Templo de Artemis (na actual Turquia);
- O Mausoléu de Halicarnasso (na actual cidade de Bodrum);
- O Colosso de Rodes (estátua de Hélio na entrada marítima da ilha de Rodes);
- O Farol de Alexandria (Torre de mármore na ilha de Faros, perto do porto de Alexandria, no Egipto).
Estas foram os sete monumentos descritos como as sete maravilhas do Mundo antigo.
Destas, o único monumento que se encontra ainda de pé, são as pirâmides de Gisé, na cidade do Cairo, no Egipto.
Já as vi, ao vivo, já subi alguns degraus - são enormes - e já entrei no seu interior até uma pequena câmara.
São, de facto, fabulosas e é difícil acreditar que foram feitas com tão poucos meios e pelas mãos de homens.

*Na wikipédia

I belong to You

Música para o fim-de-semana.

quinta-feira, setembro 28, 2006

4400

Acabámos de ver o último episódio do Segundo Ano da série 4400. Está espectacular.
Não houve um momento de monotonia nesta série de ficção cientifica.
O argumento está tão bem escrito que nos surpreende.
Muito bom. Há muito tempo que não via uma série assim...
Aguardamos mais...


quarta-feira, setembro 27, 2006

It's a boy

O meu irmão ligou-me ontem a dar a novidade. Foram fazer a segunda ecografia e é um rapaz. Vou ser tio de um menino!!!
:-) A tradição da família mantém-se! Só rapazes!!!

segunda-feira, setembro 25, 2006

Depois da Feira ...

Estamos muito cansados.
Só me apetecia esticar as pernas...
(Eu por vezes pergunto-me porque é que eu me meto nestas coisas...)

quinta-feira, setembro 21, 2006

Entregue à bicharada!

Este fim-de-semana vou estar na FIL, no 3º Salão de Animais de Estimação.
Apareçam!!!


Poster da Exposição de Roedores

terça-feira, setembro 19, 2006

domingo, setembro 17, 2006

Anúncios Alegres







Até gostava de acreditar...

Não sei se já perceberam mas não tenho nenhuma religião. Não acredito em nenhum deus. Ou melhor, não acredito que exista um deus, ou dois ou três.Acredito em biologia e na evolução das espécies. Não acredito na vida após a morte física. Não acredito em almas nem em anjos. Mas gostava de acreditar. Assim, nos momentos mais difíceis, tinha algo a que me agarrar.

Não sei se leram, mas há uns dias perdi um grande amigo. O meu cão Igor. Eu sei que para muitos é um cão, mas para mim, e por mais ridículo que possa parecer, era como um filho. Dou este exemplo para as pessoas perceberem o quanto me custou. A maior parte pensa que eu sou maluco, mas muita gente percebe e como tenho uma loja de animais, convivo com muita gente que se dedica aos animais como eu.

Tudo isto para dizer que estive uns dias muito triste e desanimado com a vida pela injustiça e estupidez da morte do Igor. Depois, com o passar dos dias a tristeza vai passando ao regresso à realidade. Não há nada que se possa fazer contra a morte e aquela morte teve que acontecer como muitas acontecem. O acaso e o destino juntaram-se tornando aquele o momento. E para o pequeno Igor, tudo terminou ali.

Foi engraçada a reacção das várias pessoas, crentes das mais diversas religiões, ao facto de eu andar triste. Umas perguntaram-me como é que eu tinha tido coragem de pegar no cachorro morto ao colo e leva-lo para casa. Como é que eu não teria coragem. Era o meu Igor que estava ali a morrer-me nos braços. Ao menos que morresse sentindo-se acarinhado.
O meu companheiro ainda me perguntou se eu queria enterra-lo no cemitério dos cães no Jardim Zoológico mas eu não quis. Não tem grande significado ir a um cemitério para lembrar a memória do Igor. Ele nunca lá tinha estado, aquele sítio não lhe dizia nada. Ele será sempre lembrado, em casa, sem a necessidade do corpo estar presente. O Igor foi levado para o canil municipal para ser cremado.
Depois vieram as velhotas que diáriamente passavam pela loja para lhe darem mimos. Foi comovente ver como um cão pode ser importante para as pessoas e como muitas sairam de lá a chorar. Uma até me disse: "Deixe estar que quando morrer tem o seu cãosito lá em cima à sua espera". É uma bonita imagem mas infelizmente não consigo acreditar.

É engraçado como o ser humano arranja subterfúgios para justificar o medo da morte e a finalidade das suas vidas. A maior parte não percebe que, tudo o que temos é o tempo que estamos vivos. Depois o que podemos deixar é a nossa memória, o nosso trabalho. Podemos 'continuar a viver' só na lembrança dos outros.

É facilmente justificavel o aparecimento das várias religiões, cultos e crenças. Quase tudo parte do medo do ser humano a que não sobreviva. Todos lutamos pelo mesmo. Para cá estarmos o máximo de tempo possível e por aproveitarmos esse tempo para viver a vida. Para quê? Para isso mesmo. Para VIVERMOS.
As teorias religiosas, paranormais, futuristas, lendárias, são criadas pelos seres humanos para que as vidas tenham algum sentido. Porque precisam de dar algum significado à vida. Não conseguem ver que o significado da vida é vivê-la. Aproveitar tudo. Arriscar. Experimentar. Aprender o máximo. Viver intensamente.

Infelizmente quem percebe isso pode depois sentir-se um bocado decepcionado com a vida. Por exemplo, quando perdemos alguém sabemos que não a vamos encontrar no além porque não existe além. Não existe céu nem Inferno, não nos tornamos anjos nem ardemos nas chamas das trevas. Quando nos morre alguém, não vale a pena arranjarmos desculpas. A mais hilariante que ouvi já várias vezes, especialmente quando morre alguém novo, é que Deus o chamou para ao pé dele... E porquê? - Pergunto eu - Não tinha já a companhia dos milhões de pessoas que morreram desde que os seres humanos apareceram? Existe uma cena no filme STEEL MAGNOLIAS sobre a raiva de uma mãe que perde uma filha nova que reflecte muito bem a revolta que podemos sentir com DEUS quando 'nos leva' alguém querido.

Por isso, a mim que não acredito em nada, restou-me ficar com a dor de ter perdido o meu Igor e de saber que para o meu melhor amigo tudo acabou naquele momento. Deixa-nos horrivelmente incapacitados para qualquer coisa e por momentos a frase feita "A vida continua" parece um bocado difícil de engolir.

Resta-nos viver das lembranças!

quarta-feira, setembro 13, 2006

Chuva

Que bom esta chuvinha!!!
E já se notam os dias mais curtos!
É o Outono que aí vem...

sábado, setembro 09, 2006

Igor

O que fazer quando nos morre um amigo a não ser morrer um pouco também… Nasceu às minhas mãos e toda a sua curta vida esteve comigo 24 horas por dia. O vazio deixado por si é de uma dor imensa.
Era o primeiro a dar-me os bons dias. Tentava secar-me os pés quando eu saía do chuveiro. Aguardava pacientemente que eu o penteasse porque já sabia que o esperava uma guloseima. Era o meu companheiro de brincadeiras com aquela jovialidade de cachorro que nunca perdeu. Era traquinas, matreiro, um reguila. Era tão amado nessas alturas de traquinísses como quando era um doce mimado. Adorava dar lambidelas. Nunca vi cão tão beijoqueiro. Foi amado sempre.
Hoje, depois de um dia normal vinha comigo e com a mãe da loja onde trabalho e onde ele estava todo o dia comigo a fazer asneiras e a distribuir carinhos pelos clientes. Era sempre uma euforia o regresso acasa. Hoje não chegou ao seu destino. Estava sem trela – nunca me hei-de perdoar por isso – pois, tal como a mãe, seguia-me pelo passeio. Só há poucas semanas tinha deixado de andar com a trela. Erro nosso. Vinha a brincar com outro cão pela rua acima quando, sabe-se lá porquê, na euforia da brincadeira, decidiu correr, como nunca tinha feito, para a estrada. O destino tinha-lhe guardado um carro a passar nessa mesma altura a alta velocidade.
Uma pancada forte na cabeça levou aquele pequeno ser em poucos instantes. Morreu a sangrar, nos meus braços. O seu pequeno mundo terminou sem tempo para despedidas. Parou tudo. Ficou o vazio. Não vi mais nada. Só peguei nele ao colo e corri para casa a escassos metros. Quando o deitei numa toalha já não estava comigo. Já não ia brincar mais com a bola de borracha toda roída. Já não ia massacrar a gata com as suas lutas a fingir. Já não me ia morder as sandálias. Já não me ia lamber as mãos ou aninhar-se comigo nas nossas sestas de Domingo.
Vazio.
O que fazer quando nos morre um amigo a não ser morrer também um pouco?
Temos saudades…


sexta-feira, setembro 08, 2006

Even educated flees do it ...

Hoje estive a falar com um amigo meu sobre a irmã que está a passar pela fase de 'sair do armário'. Gosto muito dela. É uma miúda muito porreira e já me ofereci para conversar com ela, para ajudar no que fosse preciso.
Felizmente que a família mais próxima a apoia, mas é sempre difícil e é sempre uma altura de choros, nervosismos, noites mal dormidas. Enfim... só percebe que já passou por isto.
Por vezes penso que é uma estupidez tão grande!... As pessoas são as mesmas. Ficam até mais genuínas, mais 'leves'... É só uma questão íntima. Uma coisa natural.
Até os animais se apaixonam!... Porquê fazer disso um bicho de sete cabeças! Deviamos por vezes ser um pouco menos racionais...
Lembro-me daquela canção...

Música do filme "De-Lovely", sobre a vida de Cole Porter. Se não viram aconselho-vos vivamente a verem.

quinta-feira, setembro 07, 2006

Sing Along - Mad World

Recordei há dias esta música num dos episódios, acho que foi, da série LOST.
É um daqueles temas intemporais e muito bonitos.
Só hoje conheci o original dos Tears for Fears. Um grupo que eu gostava muito na minha juventude.

Original dos Tears for Fears


Versão de Gary Jules




All around me are familiar faces
Worn out places
Worn out faces
Bright and early for the daily races
Going no where
Going no where
Their tears are filling up their glasses
No expression
No expression
Hide my head I wanna drown my sorrow
No tomorrow
No tomorrow
And I find it kind of funny
I find it kind of sad
The dreams in which I'm dying are the best I've ever had
I find it hard to tell you
I find it hard to take
When people run in circles it's a very very
Mad world
Mad world
Children waiting for the day they feel good
Happy birthday
Happy birthday
Made to feel the way that every child should
Sit and listen
Sit and listen
Went to school and I was very nervous
No one knew me
No one knew me
Hello teacher tell me what's my lesson
Look right through me
Look right through me
And I find it kind of funny
I find it kind of sad
The dreams in which I'm dying are the best I've ever had
I find it hard to tell you
I find it hard to take
When people run in circles it's a very very
Mad world
Mad world
Enlarging your world
Mad world

quarta-feira, setembro 06, 2006

37

É a minha idade se eu chegar às 18:10h de hoje.
Não consigo deixar de sentir que algo passou rápidamente por mim e que eu nem tive tempo de olhar.

segunda-feira, setembro 04, 2006

The Queen

Mais um filme realizado por Stephen Frears, um dos meus realizadores favoritos.
Um grande papel para Helen Mirren.
Aguardo ansiosamente...

sábado, setembro 02, 2006

Stargate I


Ontem, por causa de outro blog, recordei a viagem que fiz há mais de dez anos ao Egipto. Foi uma viagem de sonho. Fiz o circuito que a Agatha Christie descreve no seu livro "Morte no Nilo". Cairo e depois o cruzeiro no Nilo. Muito bonito.

O que recordo sempre que me causou mais admiração, foram as pirâmides. Autênticos monstros. Lembro-me de comentar com a minha mãe, a minha companheira de viagem, que aquilo não podia ter sido feito por gente... Parecia impossível.

Passado pouco tempo apareceu o filme.

Sing Along - Little Wing

Para ouvir baixinho ...



Now she's walking through the clouds
With a circus mind
That's running wild
Butterflies and zebras
And moonbeams and fairytales
All she ever thinks about is riding with the wind

When I'm sad she comes to me
With a thousand smiles
She gives to me, free
'It's alright she says,it's alright'
Take anything you want from me,
Anything...


Fly on Little Wing...

Setembro

É um dos meses que mais gosto. Para mim significa o fim de Verão. Os dias já se notam mais curtos e espera-se que mais frios.
É também o meu mês uma vez que faço anos dentro de dias.
Existe um filme do Woody Allen chamado Setembro que também é muito bom. É passado numa casa de praia mas o céu parece estar sempre cinzento. É muito intimista. Muito fechado. Passa-se praticamente todo dento daquela casa. Gosto muito deste filme. Já há uns anos que não o revejo.