domingo, dezembro 27, 2009

Natal no Hospital

Desde 18 de Julho que tenho aqui escrito sobre o principal evento deste ano na minha vida. A doença da minha mãe. A sua operação a um tumor no cérebro e tudo o que veio depois... Cheguei a um certa altura em que deixei de escrever aqui sobre o assunto. Estava (estou) cansado e viver a experiência era suficiente. Recordar e relatar aqui o que se ia passando era penoso demais.
Entretanto voltámos ao início.
No dia 23 o meu pai telefonou-me a dizer que não sabia o que fazer. Falava com a minha mãe e ela não lhe respondia. Simplesmente sorria. O que tinha recuperado estava a retroceder de dia para dia. Dia 24 eu e o meu irmão levámo-la para as urgências do hospital onde chegámos às 10 da manhã e a minha mãe foi internada perto das 18 horas. Passei o dia inteiro com ela no hall principal das urgências rodeados de doentes em macas que esperavam por sei lá o quê. Não consigo perceber os funcionamentos das urgências e das pessoas que por lá trabalham. O que aconteceu foi que, por ter perdido os movimentos do lado direito, a minha mãe estava a fazer fisioterapia em Santiago do Cacém. A qualidade da fisioterapia era tão boa que têm uma fisioterapeuta para dez doentes. Ao mesmo tempo. A minha mãe, que não mexe o braço nem a perna direita, foi mandada sair da bicicleta. Sozinha. Caiu. E fez uma hemorragia cerebral. Isto aconteceu há um mês. O coágulo de sangue no cérebro já era grande e estava a precionar o cérebro. No dia 25 foi novamente operada. Correu bem. Hoje está mais lúcida. Raparam-lhe metade da cabeça e fizeram-lhe dois buracos para drenar a área. Hoje fez um novo TAC e parece que a hemorragia estancou. Vão amanhã tirar-lhe um tubo de drenagem que tem a adornar-lhe a cabeça.
Está lúcida, tem os seus momentos mais animados e outros mais depressivos. Fala connosco, ri e chora. Não ficou mais afectada do que já estava da operação anterior. Acho que procura uma razão para isto tudo lhe estar a acontecer.
O Natal é a época que a minha mãe mais gosta e nesta altura sempre esteve atarefada com as suas receitas e a planear as prendas e tudo o resto como uma matriarca deve ser. Desde Julho que dizia 'deus queira que no Natal já esteja boa'... mas não, deus não quis.
E foi assim o meu Natal.

2 comentários:

Patrícia disse...

Eu esperava que a ausência de posts sobre o assunto fossem boas noticias. Não te conheço, nem conheço a tua mãe, mas desejo-lhe um ano de 2010 bem melhor que o que agora acaba. E a ti também.
Não há razões para tanto sofrimento, acho eu. Há que ter esperança e viver um dia de cada vez...
boa sorte
beijinhos
Pat

pinguim disse...

Lamento muito esse teu Natal tão triste.
Mas ao menos que a tua Mãe recupere e te dê um 2010 mais descansado...
Abraço.