sexta-feira, dezembro 18, 2009

Realizações


Há vezes que sinto que a minha vida faz um círculo completo em que tudo se conjuga. Nem sempre para melhor, mas outras vezes chegou à conclusão que a vida dá voltas e sem querer vou parar ao local onde queria.

Se lerem as minhas composições da terceira ou quarta classe, 'O que queres ser quando fores grande?', podem ver que andei fascinado pelos livros dos Cinco e dos Sete, da Enid Blyton e, em vez de querer ser polícia ou detective, não, queria ser escritor. Sempre tive uma grande paixão pela leitura e por livros e sinto que deixar obra escrita e partilhar o que escrevemos é algo que fica para além do nosso tempo. Uma forma de imortalidade. Sempre passei muito tempo a escrever histórias, coisas que não passaram do papel, mas que foram importantes para mim. Ainda tenho uma gaveta cheia de cadernos, folhas dactilografadas e depois impressas naquelas impressoras de papel contínuo. Algumas dessas histórias que ainda recordo, outras que me levam a perguntar 'Eu escrevi isto?'. Não interessa se estão bem ou mal escritas. São só para mim. Muitas levaram meses a passar para o papel. Fazem parte da minha vida e das minhas emoções.

Outra das profissões, já mais tarde, era professor. Professor de ciências ou de línguas. Por vezes penso que fiz bem em não ir por aí porque acho que a classe docente é muito mal tratada em Portugal e ser um bom professor é por vezes impossível e desanimador.

A minha vida tomou outros rumos, deixei a Universidade logo no início, dei explicações, trabalhei numa farmácia e depois treze anos num banco até que entrei no 'mundo dos animais' outro sonho que realizei apesar de os portugueses me deixarem muito desanimado com a forma como vêem um 'animal de estimação'. (este é um tema para outro post)

Entretanto sempre fui muito participativo em associações, fóruns, fiz páginas práticas sobre animais, etc. É o meu modo de ensinar o que sei sobre esses assuntos.

Outro dos meus hobbies foi sempre a jardinagem. No entanto, por falta de espaço, desde que saí de casa dos meus pais que tive sempre uma jardinagem de varanda. Felizmente há três anos comprei um apartamento com terraço e consegui dar largas ao 'bichinho' do jardim que sempre houve em mim. Uma grande paixão - As Orquídeas.

Fiz cursos, assisti a palestras e a exposições, sempre fascinado e sempre a aprender e a ensinar o que sabia. Primeiro em Fóruns, mais uma vez em associações e depois deixei a associação e seguindo o meu rumo. Faço mais e melhor sozinho, já cheguei a essa conclusão.

Através de amizades, a Luso-bonsai, que é pioneira nos Cursos e Worshops sobre bonsais, convidou-me a elaborar um curso básico sobre Orquídeas. Andei uns meses a pensar 'Não consigo, não me vou meter nisto'. Entretanto a idéia foi tomando forma, passei para o papel, esquematisei, tinha muito material, muitas fotos da minha colecção de orquídeas, livros, etc... E assim nasceu o Curso de Orquídeas. Tirei o CAP de formador e avancei. Seguiram-se palestras, apresentações e cursos no Jardim Botânico da Ajuda e no Horto do Campo Grande, enfim... quandei por mim, era 'professor'.


No seguimento das palestras e dos cursos, comecei a escrever, por um acaso, para revista JARDINS onde escrevo já há quase dois anos e agora, num desafio de novo da Luso-bonsai, escrevi um pequeno manual de cuidados e conselhos para cultivar orquídeas, que saiu esta semana. É uma coisa pequenina mas só quem já editou alguma coisa percebe o orgulho que temos quando temos na mão algo editado que foi escrito por nós. Entretanto parece-me agora muito mais possível publicar algo maior. E assim, quando dou por mim sou 'escritor'.

E por isto que comecei a dizer que por vezes parece que a minha vida faz um círculo e algo se conjuga nos céus para as coisas baterem certo. E o mais engraçado é que fico com a sensação de que tudo acontece naturalmente e que, por vezes esforçamo-nos para que uma coisa aconteça e nada dá certo, outras vezes as coisas vão acontecendo...

Enfim, são pequenas realizações que me deixam satisfeito.

1 comentário:

pinguim disse...

Muito interessante o teu texto, até chegares ao teu objectivo: as orquídeas!
Ficou-se a conhecer um pouco mais de ti, o que é sempre bom.
Bom Natal.
Abraço.