sábado, outubro 29, 2011

Os Livros da minha Infância

Em resposta ao pedido do Blog PÁGINA A PÁGINA, escrevi este texto sobre os livros que acompanharam a minha infância. Foi com alguma nostalgia e saudade que os recordei.






Não me lembro de começar a ler. Lembro-me que sempre me contaram histórias. As primeiras foram contos populares, A Carochinha, o Ali Babá e os 40 Ladrões, O capuchinho Vermelho e tantas outras que fazem parte do imaginário mundial. Agora talvez não tanto mas no meu tempo era assim. Convém referir que tenho 42 anos e que nasci e vivi até aos 25 anos em Vila Nova de Milfontes. Passei portanto a minha infância numa pequena aldeia piscatória que não era a vila turística que é hoje. Estavamos muito afastados de tudo. A grande impulsionadora do meu gosto pela leitura foi a minha mãe. Ela foi a minha contadora de histórias, algumas inventadas por ela, e a minha leitora quando eu ainda não sabia juntar as letras. Quando comecei a ler sozinho, a decifrar as palavras, acredito que possa ter sido uma descoberta fantástica, mas como já referi, não me recordo desse evento.
Os primeiros livros que me lembro de ler foram as aventuras d'OS SETE, de Enid Blyton. Ofereceram-me a colecção completa e li-os pela ordem correcta, o que não aconteceu com muitas outras colecções. A minha mãe era uma grande admiradora da Enid Blyton desde criança e foi ela que me entusiasmou para ler os livros da autora inglesa. A primeira história que me lembro, não sei se lida por mim ou pela minha mãe, foi A CASA NA ÁRVORE ÔCA. Depois d'OS SETE seguiram-se OS CINCO, a colecção MISTÉRIO, as aventuras passadas em colegios, AS GÉMEAS e O COLÉGIO DAS 4 TORRES que relia todos os anos antes de iniciar o novo ano escolar e por fim a colecção AVENTURA, onde as histórias são mais elaboradas e das minhas favoritas. A Enid Blyton acompanhou-me durante toda a minha infância, tanto com os livros de mistério infantil como com o NODDY. Com uma tia a trabalhar em Inglaterra, o NODDY e o URSINHO RUPERT não eram estranhos para mim.
Como referi, o meu acesso aos livros era muito escasso. Pode não parecer, mas era um facto. Nem tinha amigos leitores que me emprestassem livros. Mas no meu tempo havia uma coisa muito importante, as bibliotecas itenerantes da Gulbenkian. Duas vezes por mês, a dias e horas certas lá estava uma pequena carrinha carregada de livros. Foi essa a minha biblioteca e grande parte dos livros que li foram aí requisitados. O meu obrigado à Gulbenkian por essas bibliotecas que foram tão importantes e que foram, durante muito tempo, o único acesso a livros para leitores que viviam fora das grandes cidades.
Termino com alguns livros que marcaram a minha infância para além dos livros da Enid Blyton.
- AS AVENTURAS DO PEQUENU, do austriaco Dick Laan;
- AS AVENTURAS DA ABELHA MAIA em BD;
- AS AVENTURAS DE DOIS MIÚDOS E DOIS CASTORES, de Grey Owl;
- AS AVENTURAS DE TARZAN, de Edgar Rice Burroughs;
- COLECÇÃO AVENTURAS, de Willard Price
E estes livros fizeram de mim quem sou hoje.




1 comentário:

redonda disse...

Eu comecei a ler porque a minha irmã mais velha gostava de ler. Comecei pelos livros dela, Os Cinco, 1º, depois Os Sete, As Gémeas, O Colégio das Quatro Torres, mas depois também por livros antigos da minha mãe A Colecção Azul e do meu pai, mais sérios, os livros de bolso da Europa América. E li o livro Aventuras de dois miúdos e dois castores (penso que este seria da minha mãe) e adorei.