quarta-feira, janeiro 25, 2012

Desistir no Inverno


"Desistir no Inverno é perder as promessas da Primavera, a beleza do Verão e a expectativa do Outono"

A Evolução de Calpurnia Tate

Este é um livro delicioso onde acompanhamos alguns meses da vida de Calpurnia Tate, uma menina de onze anos, quase doze, numa altura em que se depara com o seu crescimento e que começa a espreitar, com mais atenção o mundo dos adultos e o mundo ao seu redor.
Muito observadora e com uma opinião muito própria, esta personagem é apaixonante e caricata, bem como outras personagens da sua grande família e da pequena comunidade no Missouri, onde tudo se passa, no final do séc. XIX.
Algumas pessoas que leram o livro disseram que lhes fazia lembrar um 'Tom Sawyer' feminino. Eu lembrei-me da 'Anne of Green Gables' ou mesmo da personagem Jo do livro 'As Mulherzinhas'. Mas a Calpurnia Tate não é uma imitação, tem uma vida própria e inigualável a qualquer outra personagem literária.
Acredito que seja mais um livro para adultos que queiram 'voltar' à sua juventude do que um livro para jovens. Mas de qualquer forma, leiam e divulguem. Esta menina 'entalada' entre três irmãos mais velhos e outros três irmãos mais novos far-vos-á rir, emocionar-vos-á e talvez até vos faça pensar um pouco na vossa vida. Gostei muito.

terça-feira, janeiro 24, 2012

My Week With Marilyn


Pensei que era um filme que me ia deslumbrar mas tal não aconteceu. A actriz não me convenceu totalmente (é verdade que não é das minhas favoritas) e achei a história fraquinha. Gostei da recriação da época e da Judi Dench. É daquelas histórias que trazem pouco de abono a uma lenda. Será interessante nesse aspecto mas pouco interessante para mim como argumento de um filme.
Vejam depois em DVD.

terça-feira, janeiro 17, 2012

Dente de Leão

"E ali estava Ela. Uma mulher jovem (certamente não era uma rapariguinha) com uns grandes olhos salientes; uma boca elegantemente pequena e curvada; um pescoço esguio e comprido; e uma tamanha profusão de cabelo em cima, que mais parecia um dente-de-leão antes de perder as suas sementes decapitadas pelo vento."
(pág. 60)

Estou a ler 'A Evolução de Calpurnia Tate', de Jacqueline Kelly.

domingo, janeiro 15, 2012

Sherlock Holmes, A Game of Shadows


Uma desilusão. Aborrecido e violento. História pouco interessante e a 'essência' das histórias de Sherlock Holmes perdeu-se nesta segunda realização de Guy Ritchie. O realizador, apesar de ter alguns bons momentos de realização, especialmente os combinados com uma boa montagem e fantástica banda sonora voltou à violência que caracteriza os seus filmes (Snatch, Rocknrolla) e que não me agrada nada.
Um filme de Sherlock Holmes não é um filme com uma luta em cada 5 minutos de filme. Torna-se cansativo, aborrecido e entediante.
Quanto aos actores, desta vez não gostei tanto de Robert Downey Junior (Sherlock) e talvez mais de Judd Law (Watson). Jared Harris esteve fraco como Professor Moriarty, Noomi Rapace não foi memoravel como Madame Simza. Gostei dos secundários Stephen Fry (Mycroft Homes) e Kelly Reilly (Mary Watson).
De resto não é um filme que me tenha convencido. Pode ser deixado para uma tarde de Domingo em DVD.

sábado, janeiro 14, 2012

Downton Abbey

Uma das melhores séries de televisão de todos os tempos escrita por Julian Fellowes, que já tinha escrito o argumento de um dos meus filmes favoritos de sempre, Gosford Park.
Downton Abbey é o nome da propriedade com uma luxuosa mansão onde vive a família Crawley. A história gira mesmo à volta da propriedade. O casal tem três filhas e com a morte do primo, herdeiro homem, no naufrágio do Titanic, a propriedade será passada para o herdeiro mais próximo, um primo afastado, advogado de Manchester, Mathew Crawley. A chegada do primo e da sua mãe para viver na aldeia próxima de Downton Abbey para se inteirar da propriedade que será um dia sua mostra as diferenças entre a classe mais altas e a burguesia do início do séc. XX.
Mas a série tem também como protagonistas o grande grupo de empregados e as suas relações pessoais e com os seus patrões.
É apaixonante. Está muito bem escrita. O leque de actores é do melhor que os ingleses têm. A reconstituição histórica está muito bem feita. É simplesmente uma das melhores séries que vi em televisão desde sempre.
Já foram apresentadas duas épocas, a primeira mais centrada no mundo fechado de Downton Abbey e nos seus habitantes (up and downstairs) e a segunda série parece que foca mais a ligação dos habitantes de Downton Abbey com a sociedade. A segunda série passa-se durante a primeira grande guerra e todos se envolvem, de uma maneira ou outra, com a guerra.
No final de 2011 foi apresentado um episódio especial de Natal que resolve muitos dos casos que ficaram pendentes no final da segunda série.
Tenho tudo em DVD e será uma série para ver e rever de novo.
Sei que já deu ou está a dar num dos canais por cabo.
Está prevista a terceira série a ir para o ar em Inglaterra em Setembro de 2012.

segunda-feira, janeiro 09, 2012

A Árvore dos Segredos


São sempre histórias agradáveis de ler, os livros de Sarah Addison Allen. Histórias romanticas com algum misticismo à mistura.
Depois de ter lido O JARDIM ENCANTADO e O QUARTO MÁGICO, este A ÁRVORE DOS SEGREDOS agradou-me menos que os anteriores. Talvez a história tivesse menos a ver comigo, talvez fosse mais previsível.
Acredito que este seja um romance que agrade mais a leitoras jovens do que a um quarentão como eu.