terça-feira, junho 26, 2012

Andanças

As coisas por aqui andam muito confusas. Como não tenho mais razão nenhuma nem ninguém a quem culpar, digo que é o alinhamento dos astros que está a causar más influências. A minha família anda toda de candeias às avessas. Tenho gente mesmo másinha na família... e todos tão cristãos. Enfim. As pessoas são todas tão estranhas. Que grande erro dos meus avós, terem tido 12 filhos. Raio de família. Mas não me afecta muito, só me entristece, mais pela minha mãe. São pessoas que não me são próximas e que se não ver mais não fico com pena. Não me fazem falta. Nenhuma.
Dentro do meu núcleo familiar mais próximo também anda tudo tremido. Isso deixa-me mais triste. Leva-me a refugiar no meu buraco, com quem mais gosto. Mas fico triste.
Ao mesmo tempo ando cheio de dores nos rins e na bexiga. Suponho que os cálculos renais (pedras) que tenho tenham 'mexido' por ter andado a fazer esforços nas limpezas na casa da minha tia. Os nervos de todas estas zangas não ajudam e tenho passado umas noites menos boas, com dores e más disposições. E ainda por cima estamos com temperaturas de 40 graus. Tudo a ajudar. O trabalho está uma merda. Não consigo avançar com a escrita. Bem... pode sempre ser pior.

E ontem aconteceu-me uma coisa estranha. Vinha para casa, a pé, como sempre, com a minha mala a tiracolo quando dou por um rapaz preto (não sou racista, ele era de facto preto) a andar muito ao meu lado. Estranhei. Abrandei e ele abrandou. Acelerei o passo e ele acelerou. Parei e fingi procurar uma coisa no bolso e ele parou. Voltei a andar e ele também voltou a caminhar ao meu lado. Até que lhe perguntei se ele queria alguma coisa e ele respondeu que não, que estava à porta de casa (encostou-se à porta de um prédio). Voltei para trás e fui para casa por outro caminho. Na minha rua, apesar de serem 200m não se via ninguém. Já vi ali dois ou três assaltos de puxão e pareceu-me que a minha mala estava a ser cobiçada.

Mas entretanto estou meio tranquilo. Resignado. Farto.
Acho que estas coisas me ajudam a crescer. Com a minha família, acho que as coisas nunca mais voltarão a ser as mesmas. As pessoas têm que ser travadas e há algumas coisas que têm que ser ditas e ouvidas. E se for eu que as tenho que dizer. Que seja.

quarta-feira, junho 13, 2012

Prometheus


Ora aqui está um filme de ficção científica como há algum tempo não via. As imagens, cenários e efeitos visuais estão soberbos. Muito bem feitos. Bom naipe de actores: a Charlize Theron está muito melhor do que no anterior filme, 'A Branca de Neve e o Caçador', o Michael Fassbender está fantástico como David e a Noomi Rapace é uma agradável surpresa com a sua fantástica representação da Elizabeth Shaw. Os restantes secundários também estão muito bem, só não percebi a escolha de Guy Pearce para o papel do idoso Peter Weyland. Porque não um actor mais velho? Poupava-se a caracterização que parece sempre artificial. 
A história está bem conseguida e agarra o espectador desde o primeiro minuto. Voltamos ao tema dos filmes 'Alien' e percebemos o porquê de muita coisa mas acabamos por não perceber tudo. Fica sempre alguma coisa na manga ou talvez para um outro filme. Sendo também um filme de terror, algumas partes são muito nojentas e violentas, mas quem vai ver este filme já conhece os 'Alien' e sabe o que o espera. 
Outro factor positivo a destacar, é a fantástica banda sonora de Marc Streitenfeld.
Um filme para ver num écran de cinema, podendo-se escolher em versão digital (a que eu vi) ou 3D.

segunda-feira, junho 11, 2012

Seis Olhos

Fui ao oculista. Estava a adiar, adiar mas teve mesmo que ser porque ou mudava as lentes ou esticava os braços porque tinha que afastar o que lia até conseguir focar as letras. Dizem os entendidos que depois dos 40 os olhos e a visão evoluem drasticamente para pior! Confirma-se. Apesar de usar óculos desde os 18 anos, nos últimos três tenho sentido muito mais dificuldades em ver e ler, principalmente.
O diagnóstico foi simples, visão ao longe mantém-se como está e visão ao perto está muito pior. Ou mudava para uns óculos de lentes progressivas que custavam uma pequena fortuna ou comprava só uns para ver ao perto. E assim foi que o tempo não está para festas!!
Que alegria ler e estar ao computador e VER as coisas com clareza!! Três Vivas para a Oftalmologia!!
(Entretanto não vale a pena me chamarem de 4 olhos porque agora, tecnicamente, tenho 6.)

quarta-feira, junho 06, 2012

A minha Herança

No passado dia 26 de Abril morreu a minha tia. Já aqui escrevi sobre o assunto. Entretanto essa minha tia deixou-me, a mim e ao meu irmão, a casa que tinha na minha terra, perto da casa dos meus pais. A minha primeira reacção foi - Vende-se! - Só eu sei como o dinheiro vinha resolver tanta coisa na minha vida, mas não, não pode ser. Para além de não ser uma boa altura para vender casas, a minha mãe tinha uma coisa má. Enfim. Esquece-se a ideia de vender. 
Entretanto, como um dos herdeiros ou legatário, ou sei lá o nome que se dá nestes casos, tenho andado eu a tratar de toda a papelada por causa do óbito. Nunca pensei que morrer desse tanto trabalho. Vai aqui, vai ali, tira uma cópia, pede uma declaração, vai-se ao notário, vai-se ao banco e as Finanças que ficam com uma fatia. Estou um bocado cansado e tenho andado numa roda-viva.
E mexer nas coisas da minha tia? Ora aí está uma coisa que achei complicado. Ela tinha 61 anos, não estava doente nem à espera de morrer e revistar todas as gavetas, tirar as roupas, ler todos os documentos, ver tudo o que estava naquela casa deixa-nos uma sensação estranha. Aquilo são as suas coisas privadas. Não devíamos mexer naquilo. Mas tem que ser e lá fui eu e o meu irmão inventariar as coisas, deitar fora muita coisa, queimar muita papelada. A minha tia era uma coleccionadora e guardava tudo, por isso podem imaginar. A primeira fase já está. Faltam outras fases. Muito para limpar.
Nós sabíamos que havia um testamento para nós mas nunca olhámos para a casa como, um dia, nossa. Ela era a mais nova das irmãs e nunca se pensa nessas coisas. E assim, tanto eu como o meu irmão começámos agora a olhar para as casas, são duas separadas por um pequeno jardim, como nossas e até nos entusiasmamos com as ideias que vão surgindo para modificar isto ou aquilo e pôr as coisas ao nosso gosto. Nós somos pessoas que gostam de casas. Sempre tivemos a 'nossa' casa na terra, a casa dos meus pais, mas ter agora uma casa onde ficar sem ter que estar a viver com os meus pais é diferente e dá uma nova perspectiva às idas à terra que eram cada vez mais escassas e agora acho que vão ser muito mais frequentes. Os meus pais são daquelas pessoas que tudo tem que ser feito à vontade deles, como eles querem, onde eles querem... é cansativo. Eu costumava pensar que assim que passava a placa de sinalização de entrada na localidade que voltava a ter 10 anos e tinha que fazer tudo o que os meus pais queriam e tinha que me portar bem. Com 42 anos a paciência já era pouca e passada uma hora já tinha vontade de voltar para Lisboa e para o meu canto. Agora não. Vai ser uma outra experiência. Estar na terrinha, mas à minha vontade na minha casa. E vai acontecer dentro de poucas horas. Vou rumar ao Sul para passar uns dias de descanso e desta vez vou ficar na minha casa. Digamos que estou entusiasmado, não só por ir mudar de cenário como por ir descansar e decorar a casa, tratar do jardim, estar à vontade com os meus cães, levar amigos, enfim. Parece que esta casa me veio reconciliar com a minha terra Natal. Por isso e por tudo o resto, obrigado tia!

terça-feira, junho 05, 2012

A Herança


Finalmente terminei o quarto e último volume da saga de Eragon e do Dragão Safira. Finalmente Galbatorix foi vencido e voltou a reinar a paz e a ordem (mais ou menos) na Alagaësia.
Gostei mas demorei a terminar. O livro teve muitas partes descritivas e mais paradas que seriam ou não importantes e necessárias para a acção. Confesso que por vezes me aborreci com as descrições das batalhas infindáveis e muitas vezes me senti num jogo de role-playing. Mas lá fui lendo e seguindo sem perder o interesse até chegar ao final. Depois o final soube-me a pouco. Como é que um autor tão narrativo e descritivo deixa coisas por explicar? E tem muito pouco à-vontade em escrever sobre os romances entre as personagens como se os romances e o sexo não fizessem parte da vida normal das pessoas. Enfim, ninguém casou e eu queria casamentos e mais explicações. Será que o autor vai voltar a escrever sobre este mundo? Sinceramente espero que sim porque quem já leu e passou tantos anos com estas personagens acaba por se afeiçoar a elas.

segunda-feira, junho 04, 2012

A Branca de Neve & o Caçador


Morno. A Branca de Neve é uma pamonha, sempre com a mesma expressão na cara, esteja contente, triste ou sabe-se lá o quê. Falta-lhe tempero. A Rainha não me convenceu totalmente, pouco má e pouco irritante. A mesma personagem da série 'Once upon a Time' é muito mais irritante e maléfica. O Caçador é outro que convence pouco. Resumindo as personagens são pouco convincentes.
Gostei do ambiente da história e dos efeitos especiais. A Charlize Theron está lindíssima quando está com as 'baterias carregadas'.

sexta-feira, junho 01, 2012

Sombras na Escuridão


Uma comédia negra de que gostei principalmente dos ambientes e da caracterização. A história está engraçada e imaginativa mas que surpreende pouco. As personagens muito ricas e interpretadas por actores excelentes.
Um típico filme de Tim Burton com os seus actores fetiche. 
Um filme divertido para ver com amigos!