sexta-feira, setembro 21, 2012

O Cavaleiro de Westeros & Outras Histórias


Comprei este livro quando o George R. R. Martin veio a Portugal e fiquei curioso com o que ele disse sobre o livro. É como ver o passado de alguém que se conhece hoje, pelo seu trabalho. Este livro é composto por dez histórias autónomas que foram escritas pelo autor antes do sucesso de 'A Guerra dos Tronos'. Cada história tem uma introdução em que o autor explica o contexto em que foi escrita.
Gostei de ler as histórias, muito variadas, umas de Fantasia, outras de Ficção Científica, outras mais para o terror. Uma das histórias passa-se no mundo que conhecemos de 'A Guerra dos Tronos' mas com outras personagens, nada a ver com a história. Mas é uma boa história. 
Houve uma ou outra história que me interessou menos mas algumas são muito boas. As minhas favoritas são 'Reis da Areia', 'O Cavaleiro de Westeros' e 'Negócios de Peles'.
Aconselho vivamente este livro a que gosta de ler George R. R. Martin, quem gosta de histórias fantásticas e quem tem curiosidade em conhecer o autor para além de 'A Guerra dos Tronos'.

quarta-feira, setembro 19, 2012

Downton Abbey Series 3



Ontem vi o primeiro episódio da terceira série de Downton Abbey. Deram-me um link e consegui ver. Dois dias depois de ter estreado em Inglaterra. É de facto fantástico a rapidez com que tudo se faz hoje em dia. Esperar meses por uma série, escrever para a RTP a pedir uma repetição, ver um episódio por semana e esperar outra semana pelo episódio seguinte parecem coisas tão antigas! Pergunto-me se esta facilidade toda será um beneficio ou se só nós - os mais maduros - que nos lembramos da TV a preto e branco, é que pensamos nisto. Para os mais novos é um dado adquirido, sempre foi assim e imaginar a lentidão com que as coisas aconteciam é como viver na idade média. A mim parece-me que se ganhou muito mas perdeu-se qualquer coisa.

Entretanto a terceira série começou muito bem com as personagens a desenvolverem-se mais, neste período pós I Guerra Mundial. Argumento magistralmente bem escrito. E actores fantásticos. Será esta a melhor série de sempre nesta categoria de drama de época? Para mim, até agora, é com certeza. Thank God for the english!

*Aviso spoilers*
Saliento para já, neste primeiro episódio, o desenvolvimento da personagem de Tom Branson e da maneira como o Matthew o acolheu como cunhado e claro, a chegada da personagem interpretada por Shirley McClaine. Mas todas estão muito bem.

quarta-feira, setembro 12, 2012

Revenge e Parenthood


À segunda-feira tenho 'Parenthood' e à terça-feira 'Revenge'. O resto da semana tenho as noites livres para ler e trabalhar ou estar por aqui na net a navegar.
São duas séries espectaculares, apaixonantes apesar de muito diferentes, com histórias e ambientes diferentes, bons actores e muita emoção. Sigo religiosamente.
Ambas séries vistas na FOX LIFE. 'Parenthood' já vai na terceira série e 'Revenge' é muito recente, vai só no segundo episódio.
Em 'Parenthood' seguimos uma família composta pelos pais, quatro filhos e os seus respectivos filhos. É uma série sobre pessoas e sobre relacionamentos entre pais, filhos e irmãos. Muito bem escrita.
Em 'Revenge' seguimos Emily que tenta destruir a vida de quem destruiu o seu pai. Como a própria actriz define, é um 'Conde de Monte Cristo' moderno e no feminino. 
E são assim as minhas noites de início de semana.

quinta-feira, setembro 06, 2012

Oportunidade perdida


Uma das primeiras fotos que tirei, com a minha mãe, no dia que fiz um mês.

Quando nasci, no dia 6 de Setembro de 1969 às 6 horas e dez minutos da tarde, houve algum problema, acho que respiratório e eu quase sufocava. Estava a ficar azulado e por pouco não sobrevivi. Acho que Deus ou qualquer outra divindade já saberia que aquela criança - eu - não ia ser grande coisa. Não ia trazer muita felicidade ao mundo. Mas lá me reanimaram com umas boas palmadas, um óptimo cartão de boas vindas para uma criança indefesa à sua chegada a este mundo, e uns mergulhos em água quente e água fria. A minha mãe pensou que a parteira me ia matar com este tratamento de choque. Não conseguiu. Como diz um amigo meu, 'Trop Tard'. E assim cá estou eu. Muitos anos depois e ainda a fazer as pessoas infelizes e a não saber lidar com as minhas inseguranças e cheio de defeitos segundo os padrões que imaginaram para mim. Nós nascemos para agradar aos outros? Não. Ao dizer 'não' estamos a ser egoístas? Não sei. Não tenho as respostas todas nem acredito em Deus, pelo menos não no Deus católico. Para já estou simplesmente a viver. Tiveram a vossa oportunidade e desperdiçaram-na... agora aguentem-se comigo.